COMPARTILHE
Crianças mexendo no tablet

Dê um tablet ou smartphone na mão de uma criança pequena e prepare-se para vê-la explorar as funcionalidades da telinha com naturalidade impressionante. A destreza quase intuitiva com que os nativos digitais lidam com tecnologias de telas sensíveis ao toque é tamanha que algumas escolas de Ensino Infantil já apostam nos dispositivos para auxiliar o processo de alfabetização.


Leia também: Jogos na alfabetização: brincar para escrever
E-books: ainda é cedo?

É o caso da Escola Internacional de Alphaville, em Barueri (SP), onde os alunos utilizam aplicativos e o editor de texto para trabalhar o sistema alfabético. As atividades vão desde escrever o nome dos colegas de classe até brincar de forca. “Como em casa as crianças usam essas ferramentas para jogar, é interessante colocá-las diante do tablet em um papel diferente, da criança que lê e escreve”, conta Roberta Deliberato, coordenadora de Ensino Infantil da escola bilíngue.

O recurso, segundo Roberta, traz benefícios para a alfabetização. “Quando os alunos estão na etapa de elaborar frases e pequenos textos, é normal que escrevam as palavras aglutinadas. Com o teclado do tablet, esta noção de espaço entre as palavras fica mais clara”, explica

No berçário bilíngue Primetime Child Development, em São Paulo, as crianças a partir dos 2 anos de idade interagem com os aparelhos em grupos e sob a orientação de um educador desde 2012. “Temos esse cuidado para não isolá-los frente à tecnologia”, conta Christine Bruder, psicóloga e idealizadora do berçário. Todos os aplicativos utilizados nas atividades são selecionados pela educadora. “Não são aplicativos de reconhecimento de letras e números, mas de criação de histórias, músicas e outros aspectos lúdicos”, explica.

De acordo com o estudo americano Zero to Eight: Children’s Media Use in America 2013, publicado pelo Common Sense Media, que desenvolve estudos sobre o impacto da mídia e das novas tecnologias sobre as crianças, entre 2011 e 2013, o acesso a mídias móveis pelas crianças americanas explodiu. Neste intervalo, o número de pessoas com menos de 8 anos com acesso a tablets quintuplicou de 8% para 40%. O contato com esses aparelhos ocorre cada vez mais cedo. Em 2013, 38% das crianças com menos de 2 anos utilizavam um gadget, ante 10% em 2011. Entre 2 a 4 anos a taxa subiu de 39% para 80% e entre 5 e 8 anos, de 52% para 83%.

De olho nesse público, o mercado de tecnologia tem investido em aplicativos infantis, muitos com a proposta de auxiliar a prática pedagógica. As ferramentas prometem desenvolver capacidades cognitivas e coordenação motora, perpassando o aprendizado das letras, cores e músicas. Na loja virtual da Apple há 65 mil apps educativos, dos quais 60% miram a Educação Infantil. Já o Google criou, em 2013, uma loja de aplicativos educacionais testados e recomendados por especialistas.

Para Luciano Meira, professor de Psicologia da Universidade Federal de Pernambuco e consultor em educação e multimídia do Centro de Estudos e Sistemas Avançados do Recife (C.E.S.A.R.), a inserção dos aplicativos no Ensino Infantil é bem-vinda. “As crianças já estão familiarizadas com esses dispositivos. Da mesma forma que eu defendo que folheiem revistas e livros para se aproximar do material impresso produzido em nossa cultura, defendo este contato com a linguagem do tablet”, diz.

A pertinência do uso do aparelho em sala de aula, diz Meira, está no conteúdo que ele apresenta. Ele também destaca a importância de um projeto pedagógico bem definido antes da apropriação da tecnologia. “Não basta entregar tablets nas mãos das crianças, é preciso investir na construção de ambientes imersivos de aprendizagem”, aconselha.

Leia também: Tecnologia e infância combinam?

Aproveitar na prática pedagógica o interesse das crianças pelos tablets pode ser uma ótima estratégia, mas é preciso moderação. É o que defende Mary Grace Pereira Androli, diretora pedagógica do Instituto Paramitas. “É preciso que o educador avalie em que momentos da aprendizagem essas ferramentas são úteis. Não faz sentido, por exemplo, substituir atividades tradicionais relevantes, como cantar junto e brincar de roda, por suas versões apps”, ressalta.

Para Mary Grace, sem uma proposta pedagógica consistente para a inserção dessas tecnologias no Ensino Infantil corre-se o risco de os tablets serem usados apenas para impressionar pais e professores sob o pretexto de que os alunos são incluídos digitalmente desde bebês. “Acho mais adequado o uso dessas ferramentas com crianças de pelo menos 5 anos. Caso contrário, o contato delas com as demais e com o ambiente pode ser limitado.”

A psicóloga e psicopedagoga Ana Cássia Maturano concorda. “A primeira fase do desenvolvimento se dá por meio das sensações e movimentos, estimulados com a exploração do espaço físico. Portanto, quando ela está usando o espaço de uma folha de papel para copiar uma letra ou manipulando o lápis está desenvolvendo-se cognitivamente. E a tecnologia pode limitar esta exploração”, diz.

Apps para 
o Ensino Infantil
por Rodrigo Abrantes, 
coordenador de Tecnologia 
Educacional do Colégio Joana D’Arc

TinyTap: Imagens, áudios e outros materiais produzidos em sala de aula podem ser digitalizados e usados na elaboração do game educativo. “O professor pode trabalhar o alfabeto através dos desenhos dos alunos, digitalizando-os e inserindo-os no app para montar um quebra-cabeça”, explica Abrantes.
Idade: a partir dos 3 anos
Preço: gratuito.

Bugs&Buttons: Aborda noções de alfabetização, matemática e raciocínio lógico por meio de 18 jogos. Apresenta interface atraente, com telas desenhadas para tratar questões motoras de maneira divertida.
Idade: a partir dos 3 anos

Logos ABS: Desenvolvido pelo brasileiro Marcelo Adães, o app ensina a grafia da palavra como se essa fosse uma imagem. 
Por meio da sequência de imagens e falas, 
o usuário é levado a fazer a associação 
entre elas.
Idade: entre 3 e 6 anos