COMPARTILHE

Em celebração ao Dia Internacional da Mulher, a Wikipédia lançou a campanha #16WikiWomen, uma maratona de edição e tradução que busca reduzir a desigualdade de gênero existente no site, um dos maiores repositórios globais de informação.


Até 08 de março, dezesseis biografias de personalidades femininas africanas serão editadas em diversas línguas diferentes: árabe, inglês, francês, espanhol, português, mandarim e alemão, além de dialetos africanos, como yorubá e zulu.

Estão na lista, por exemplo, a ativista nigeriana Funmilayo Ransome-Kuti e a atleta paralímpica Nassima Saifi, argelina, medalha de ouro no lançamento de disco, nos Jogos Paralímpicos do Rio de Janeiro, ano passado.

A campanha integra o projeto Wiki Loves Women, realização da Wikimedia Foundation com o Goethe Institut, que busca fomentar a cultura africana e a forma como as mulheres africanas são vistas ao redor do mundo. O projeto possui quatro países focais – Gana, Nigéria, Costa do Marfim e Camarões.

“A desigualdade de gênero e a violência contra a mulher são alarmantes no mundo todo, inclusive na África. Apesar disso, as mulheres são atuantes e influentes em diversas áreas. Elas fazem Ciência, moldam a cultura. Mas, são sub-representadas. No campo dos museus, por exemplo, são a maioria dos profissionais, mas ainda precisam lutar para ter seu trabalho reconhecido. As iniciativas que promovem o conhecimento livre precisam estar comprometidas em agregar essas mulheres e contar suas histórias”, diz Edsonia Lopes, historiadora, membro da equipe GLAM (Galerias, Bibliotecas, Arquivos e Museus) do grupo Wiki Educação Brasil.