COMPARTILHE

O ano de 2015 vem sendo marcado por importantes descobertas na Astronomia. Após 10 anos, em julho, finalmente chegamos a Plutão, extremo de nosso sistema solar. Em meados de setembro, surgiram evidências da existência de água líquida e corrente em Marte. A cada revelação, alargamos também as perspectivas e significado de nossa existência no Universo. Para ajudar neste entendimento, selecionamos quatro produções cinematográficas que traçam o histórico do cosmos bem como os caminhos de seu futuro. Confira:


Cosmos: A Spacetime Odissey

Originalmente veiculada na década de 80, quando foi criada e apresentada pelo astrônomo Carl Sagan (1934-1996), grande divulgador da ciência entre o público leigo, a série ganhou uma nova versão em 2014. Na produção mais recente, quem se encarrega do comando da Espaçonave da Imaginação rumo aos mistérios e revelações do universo é o astrofísico Neil deGrasse Tyson, igualmente carismático. O tom ao mesmo tempo didático e inspirador que permeia a minissérie trilha pelo ceticismo para chegar aos momentos de maravilhamento que derivam da percepção de que tudo no cosmos está de alguma forma conectado. Assim como na versão original, fica evidente a preocupação de apresentar a ciência de uma forma significativa, isto é, fazendo conexões entre o cotidiano do espectador e a imensidão e complexidade do universo. A série conta com 13 episódios e foi nomeada para 12 Emmy Awards.

Wonders of the Universe

Produzida em 2011 pela rede britânica BBC e pelo Science Channel, a série é apresentada pelo físico inglês Brian Cox que utiliza fenômenos e paisagens da natureza para explicar a história do universo e a origem da humanidade. São quatro episódios, cada um com uma hora de duração. No primeiro deles, Cox compara os ciclos temporais que regem nossas vidas com a vastidão do tempo cósmico. No segundo, examina a matéria da qual tudo que existe é feito, inclusive, nós: poeira estelar. Os outros dois capítulos são dedicados ao estudo da gravidade e da luz, respectivamente.

Particle Fever

Chamado de ‘a partícula de Deus’, o documentário narra a busca de cientistas pelo Bóson de Higgs, uma das engrenagens essenciais para explicar o universo. Para isso, mostra o funcionamento do maior acelerador de partículas do mundo, o LHC (Large Hadron Collider), localizado em Genebra, na Suíça, cuja função é reproduzir as condições do universo após o Big Bang. Mais do que relatar uma das maiores experiências científicas já feitas na história, o documentário mostra a paixão pelo conhecimento que move estes cientistas.

Which Universe Are We In?

Neste documentário de 2014, é apresentada a teoria do multiverso, isto é, de que o universo que habitamos é apenas um dos infinitos existentes, compostos por realidades paralelas. Por exemplo, seria possível que houvesse um universo onde o planeta Terra ainda fosse povoado por dinossauros, outro onde a raça humana estivesse extinta e assim por diante. Para isso, reúne depoimentos de cientistas que têm pesquisado indícios a favor deste argumento ainda bastante polêmico. O tema é complexo, mas as várias metáforas utilizadas ao longo do filme simplificam o entendimento para o espectador.