COMPARTILHE
Cirurgia plastica
A tendência é de que as intervenções sejam cada vez mais precoces

A adolescência é por definição o conturbado período em que uma criança passa por transformações físicas, mentais, sexuais e sociais. Não bastassem tais mudanças naturais, é cada vez mais comum o recurso ao bisturi para acrescentar também alterações estéticas da cirurgia plástica.


Pesquisa da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) apontou que em quatro anos houve um crescimento de 141% no total de intervenções na faixa etária dos 14 aos 18 anos. O total de casos saltou de 37,7 mil, em 2008, para 91,1 mil, em 2012.

Leia também | O funk na escola

Embora o recurso tenha tido um aumento considerável na sociedade como um todo, de 39%, o adolescente foi o que mais ganhou espaço nas mesas de cirurgia plástica e corretiva: passou de 6% para 10% dos pacientes. As intervenções mais comuns são lipoaspiração, próteses de silicone e redução de mamas.

Depoimentos de estudantes que recorreram à intervenção mostram que há tendência de que elas sejam feitas ainda mais cedo. Maria Carolina Siqueira tinha 10 anos quando começou a se incomodar com o tamanho dos seios.

“Eles cresceram rápido e demais”, conta. Quando completou 13 anos, ela e a mãe procuraram o primeiro médico cirurgião plástico. “Ele achou cedo demais, disse que eu era muito nova e não quis fazer. Meses depois, convenci outro médico”, afirma a menina que completou 14 anos já com as mamas reduzidas.

Ela conta os argumentos que colocou à família e ao responsável pela operação. “Achava vulgar. Vivia usando lenço ou pano para não chamar atenção. Eu faço balé desde os 3 anos e começou a me atrapalhar. Pedi para deixar bem pequeno. Hoje estou muito mais confortável. Todas as minhas amigas ficaram felizes por mim.”

Outra adolescente de 14 anos fez o contrário e pediu à mãe para aumentar os seios. Ela não quis dar o nome, mas conta que tinha vergonha do próprio corpo desde os 12 anos, “quando as amigas já tinham corpo de mulher”. “Sabia que nunca teria muito peito, porque a minha mãe tinha colocado há pouco tempo. Falei para ela que não queria esperar e ela entendeu”, diz.

Padrões estéticos

Cirurgia plastica
Levar os alunos a priorizar a saúde acima da estética é desafio para a escola

Cirurgiões plásticos e psicólogos têm visões antagônicas sobre a medida. Para os primeiros, as interferências físicas resolvem o problema de autoestima do indivíduo e retiram do caminho um obstáculo. A psicologia vê a incisão precoce como queima de etapas que pode atrapalhar no amadurecimento do sujeito, além de colocá-lo em risco desnecessariamente. Em algo os dois lados concordam: o aumento se dá pela imposição cada vez mais cedo de padrões estéticos.

Leia mais | Novas famílias, velhos problemas

“Eu sempre digo, o cirurgião é um psiquiatra de bisturi na mão”, afirma Prado Neto, presidente da SBCP. Ele cita o bullying nas escolas como um dos motivos pelos quais as incisões estão mais procuradas. “A criança e o adolescente sofrem cada vez mais se não estão dentro de um determinado modelo cada vez mais definido. Alguns se tornam motivo de chacota e isso pode ser evitado”, diz.

Para ele, não há necessidade de acompanhamento ou avaliação psicológica antes da cirurgia. “Os dez anos de formação do cirurgião plástico dão a capacidade de entender quem tem maturidade física e mental para fazer uma transformação”, argumenta. A análise, segundo conta, leva em consideração o fim da formação corporal. As mamas, por exemplo, não mudariam mais dois anos após a primeira menstruação da menina.

A psicóloga membro do Centro de Apoio ao Adolescente da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Mara Pusch, discorda da avaliação. Para ela, os hormônios ainda interferem no tamanho dos seios e a falta de proporção característica da adolescência pode dificultar a visão geral do corpo até os 18 anos.

Mesmo quando o crescimento é finalizado, ela acha que “quase sempre” é cedo para um adolescente tomar a decisão de mudar algo apenas por estética. “Quando a família freia essa decisão e conversa sobre o que realmente incomoda o menino ou a menina ou mesmo procura terapia, normalmente o jovem desiste. Ele passa a ver a diferença como sua personalidade, o que é muito importante.”

Mara atribui a procura maior por cirurgias ao culto da sociedade a modelos padronizados de beleza. “Para piorar, buscamos uma beleza que não é a nossa, mas a europeia. Gisele Bündchen é alta e esguia, a brasileira é baixa e curvilínea. Ao longo da vida, a pessoa pode sim gostar de si da forma como é”, comenta.

Os adolescentes que passaram por transformações admitem a influência da mídia e a imposição de modelos. André Jesus, de 17 anos, conta que desde os 14 se incomodava com o queixo ligeiramente para dentro. Tentou superar, mas acabou cedendo.

“Por muito tempo guardei para mim, mas com 16 anos resolvi contar aos meus pais como me sentia e, depois de uma certa insistência, resolveram me apoiar. Fiz a cirurgia um ano depois”, diz. O rapaz teve receio de que sofresse preconceito por ter feito plástica, mas recebeu elogios dos colegas.

Apesar da satisfação, André recomenda cautela a quem pensa em cirurgia. “Sei como é difícil olhar para o espelho e não aceitar o que está vendo, mas só faça isso se for sua vontade, não seja influenciado pelos outros e muito menos pelos meios de comunicação. Viva do jeito que se sinta bem e não do jeito que a mídia impõe.”

A noção de que a busca por um padrão estético induzido é compartilhada por Larissa Siqueira que fez a cirurgia aos 18 anos para mudar o nariz. “Sempre fui magra e nunca me senti feia, mas hoje em dia é implantado um modelo muito rígido de aparência e eu me achava nariguda e fora desse modelo”, confessa. Depois dela, o irmão um ano mais novo também decidiu submeter-se ao procedimento.

Autoimagem
Para a coordenadora do curso de Psicologia da Universidade do Oeste de Santa Catarina, Lisandra Antunes de Oliveira, uma das transformações próprias da adolescência é a formação da própria imagem. O jovem precisa de tempo para se acostumar com sua nova forma e isso só pode se dar depois que as alterações físicas acabam totalmente. “Quando pedimos a adolescentes que se desenhem, eles encontram enormes dificuldades. Demoram para dar o primeiro passo, usam muito mais borracha do que qualquer outra faixa etária. São inseguros e ficam preocupados com o que os outros veem”, explica.

Segundo Lisandra, o exercício Desenho da Figura Humana, usado por psicólogos para ajudar no diagnóstico de insegurança e desequilíbrio comumente mostra a dificuldade de os adolescentes entenderem o corpo. “Muitas vezes eles buscam acentuar formas sensuais ou deixam pedaços do corpo em evidência, como a barriga, em uma busca de serem notados pela aparência. Outras vezes se desenham crianças grandes”, comenta.

Neste momento de busca de uma nova identidade, a especialista diz que o melhor que os adultos podem fazer é reforçar os valores, a importância de características mentais e sociais e a ampla diversidade de nossa sociedade. “É preciso contrabalancear a influência da mídia que parece apresentar apenas um objetivo a alcançar, principalmente relacionado ao corpo”, diz Lisandra.

Reflexão na escola
A coordenadora do Departamento de Formação Continuada da Secretaria Estadual de Educação do Paraná, Rosangela Menta, é autora de planos de aula sobre ética e estética recomendados pelo Ministério da Educação. Ela explica que educadores de diferentes disciplinas podem interferir nos padrões estéticos ao alargar as referências do estudante. “Um adulto se aceita melhor porque tem mais instrumentos de comparação, seja pela arte, seja pela literatura, família ou experiência de mundo”, afirma.

Uma das possibilidades de início de conversa com os adolescentes é o trabalho de Literatura Infantojuvenil. A partir de obras em que os personagens são sensualizados, como a saga Crepúsculo, é possível discutir semelhanças e diferenças entre aqueles seres e outros personagens ou pessoas da vida real e mostrar outros modelos. “Antigamente, os adolescentes tinham admiração pelos pais, avós, isso ainda pode ser recuperado e os traz para uma referência física mais real”, explica.

Outro recurso é mostrar as mudanças de padrões ao longo da história e nas diferentes culturas. Pinturas e esculturas contextualizadas, como a Eva, de Rodin, ou a Mona Lisa, de Leonardo da Vinci, podem emprestar sua força de expressão e fama para que os adolescentes reflitam sobre a sazonalidade dos modelos. “Também podem ser usados grafites, que são uma arte valorizada por esse público e que nem sempre fica naquele padrão estreito de beleza das capas de revista.”

O mais difícil e necessário em sua opinião, no entanto, seria levar o estudante a entender a prioridade da saúde e dos valores acima da estética. “Isso leva mais tempo e exige a qualidade da educação que se espera de Educação Física, Sociologia e Filosofia”, analisa a formadora.

Para a psicóloga Mara, dar importância a outras dimensões do ser humano “é tirar a lente de aumento” que a sociedade coloca sobre algumas características corporais. Ao ampliar o repertório do adolescente, o adulto pode ajudá-lo a ponderar a necessidade de se submeter a uma cirurgia. “Precisamos fazê-los entender que não são só corpo, muito menos só peito, barriga ou nariz.”

*Publicado originalmente em Carta na Escola