COMPARTILHE
Desenho realizado durante a viagem
Representação de macaco de boca preta, realizado na expedição de Alexandre Rodrigues Ferreira

“Parar de tratar a Ciência nas escolas como universal e estática, e considerar suas especificidades locais é mais que uma questão pedagógica, é um gesto político e humanitário!” provoca Ermelinda Pataca, professora da Faculdade de Educação da USP.Um dos principais objetos de estudo da carreira de Ermelinda é o enigmático naturalista brasileiro Alexandre Rodrigues Ferreira (1765-1815).


Nascido em Salvador em 1765, Rodrigues estudou Filosofia Natural e Matemática na Universidade de Coimbra, em Portugal, e, depois de servir como preparador de História Natural por alguns anos na mesma Universidade, se tornou membro do Museu Real da Ajuda e da Academia Real de Ciências de Lisboa. Foi nesse posto, entre 1783 e 1792, que organizou uma Viagem Filosófica pelas capitanias do Grão Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá, regiões pouco exploradas do sertão brasileiro. Vale lembrar que, na época, se entendia por “sertão” qualquer região que fosse distante dos grandes centros urbanos da colônia, e não apenas ao atual sertão nordestino.

Apesar do viés cientifico, a razão central para a organização da viagem era política e econômica. “No final do século XVIII, a exploração de ouro e metais preciosos no Brasil se encontrava em baixa, e a produção de açúcar estava ofuscada pela do Caribe francês” explica Ermelinda. “Deste modo, uma viagem científica por essa área da colônia, que era praticamente inexplorada, serviria para descobrir suas potencialidades e implantar um projeto de exploração e colonização mais firme” acrescenta.

O viés utilitarista da viagem científica não era exclusivo da de Ferreira. A ciência do século XVIII servia bastante a interesses econômicos e desenvolvimentistas. No caso português, no entanto, existe um fato curioso: muitas plantas descobertas nesse tipo de viagem recebiam o nome de príncipes ou de aristocratas, como forma de imortalizar o nome do nobre e da planta. Um exemplo é a “Marialvia”, homenagem ao Marquês de Marialva. A planta se tornava assim um monumento vegetal.

A expedição, que durou nove anos, trouxe descobertas e estudos fundamentais sobre a região: mapas, desenhos sobre a fauna e a flora, estudos urbanísticos, exemplares animais e vegetais coletados, além de estudos sobre as populações locais. Embora não tenha sido a única viagem filosófica e científica realizada no Brasil nesse período, foi a maior e mais importante. As suas instruções técnicas, elaboradas por Ferreira e sua equipe, foram utilizadas posteriormente em viagens e expedições pelo território brasileiro nos séculos XIX e XX. Não apenas: o museu de História Natural do Rio de Janeiro, inaugurado em 1818, incorporou essas instruções, orientando os estudos ali realizados. Foi, portanto, fundamental no desenvolvimento da Ciência no Brasil.

No entanto, por ser uma viagem de claros objetivos políticos, as informações dela obtidas circularam de forma sigilosa. Pouco se sabe sobre a vida de Alexandre Rodrigues Ferreira após seu retorno a Portugal, em 1792, apenas que se tornou administrador do Museu Real da Ajuda, cargo este importantíssimo, pois, conforme explica Ermelinda, os museus reais eram verdadeiras “catedrais científicas”. O material obtido da viagem começou a ser catalogado nesse período, mas a invasão napoleônica a Portugal em 1808, que provocou a fuga da Família Real para o Brasil, causou uma completa dispersão do acervo. Enquanto que uma parte foi levada ao Brasil junto com a Corte, a outra foi levada como butim de guerra pelos franceses, e por lá permanece até hoje. O motivo era de que a França, em plena expansão napoleônica, tinha interesse em ocupar as possessões ultramarinas portuguesas, e ter acesso a semelhantes descobertas sobre o território pretendido era de suma importância.

O fato é que as descobertas da viagem de Alexandre Rodrigues Ferreira jamais foram catalogadas na sua totalidade e tampouco foram publicadas. Como lembra Ermelinda “durante muito tempo a historiografia se preocupou exclusivamente com a não publicação da obra de Ferreira, quando na verdade isso tudo foi apenas um detalhe em relação ao impacto por ela produzido”.

Querendo ou não, a dispersão do acervo, bem como a não publicação das descobertas da viagem, contribuíram para o esquecimento do naturalista português. Sua memória acabou restrita quase que exclusivamente a “não publicação”. Consequentemente, sua presença nas salas de aula se tornou praticamente inexistente. Ermelinda crê, apesar disso, que a presença rarefeita de viagens e descobertas como a de Ferreira se deva a um fator ainda maior: “A História das Ciências, entre todas as formas de História trabalhadas em sala de aula, é a mais marginalizada. Nas aulas de História é ignorada, enquanto que nos cursos de Ciências, se aparece, é apresentada como universal e móvel, é a Ciência europeia e norte americana” explica. “Falar de História das Ciências no Brasil é tratar de algo espantoso tanto para alunos quanto para professores: a maioria acredita que o Brasil até pouco tempo não tinha Ciência” acrescenta. Ermelinda crê que, reconhecer uma História Nacional da Ciência é também uma forma de legitimar a produção científica no Brasil.

O tratamento do tema em sala de aula, no entanto, exigiria uma mudança nos currículos, que passariam a dar mais espaço para a História das Ciências. Para Ermelinda, os museus também desempenhariam um papel importante: “O museu é um espaço educativo, sempre foi. O próprio Museu da Ajuda, cujo qual Alexandre Rodrigues Ferreira administrou, foi criado com o propósito de educar o jovem infante português nas ciências” conta. “Havendo uma maior preocupação dos museus em contar sua própria História e de seu acervo, a História das Ciências com todas as suas especificidades pode alcançar um número maior de alunos e professores” conclui.

  • E eu com isso?

    Já imaginnaram se a população tem acesso a nossa verdadeira história?

    • Isso é muito positivo em princípio. Mas, dependerá do ponto de visto de quem estará ensinando a ” verdadeira história ” , ou seja, se será alguém que estará fazendo isso motivado por ideologia, seja de Direita, Esquerda, Centro, etc.
      E não há uma verdade absoluta dos fatos. O aluno deve ser orientado e motivado a questionar tudo, inclusive os fatos apresentados pelo docente. A História não pode ter apenas uma interpretação.

  • “Parar de tratar a Ciência nas escolas como universal e estática, e considerar suas especificidades locais é mais que uma questão pedagógica, é um gesto político e humanitário!”

    Bela frase de Ermelinda Pataca.
    Esse é um dos desafios. Estudar ciência considerando não só os conceitos herméticos e fechados dos livros. Mas, sim, observar a ciência no dia a dia das próprias comunidades e regiões onde os alunos moram. Assim, eles se encantaram muito mais pelo estuda da ciência.