COMPARTILHE
Clube SOS Ciência

Estabelecer um canal de ajuda e orientação para estudantes de graduação, pós-graduação, pesquisadores e professores envolvidos com a produção científica brasileira. Eis a proposta do Clube SOS Ciência, criado em setembro de 2013 pelo professor Gilson Luiz Volpato, do Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista (Unesp), do campus de Botucatu (SP).


Leia também: Analfabetos científicos

Com cerca de 2.858 associados, a plataforma gratuita disponibiliza palestras em vídeo e cursos online sobre redação científica, além de permitir que os usuários enviem anonimamente suas dúvidas sobre o tema – todas respondidas publicamente por Volpato em espaço reservado do portal.

“A ideia é criar um volume amplo de perguntas e respostas para que todos os associados, não somente aquele que enviou a pergunta, possam ler o material e, a partir daí, suscitar novas questões, pontos de vista”, explica Volpato, que é autor de Dicionário Crítico para Redação Científica e Ciência: Da filosofia à publicação, entre outras obras.

O internauta pode ainda participar da resposta dada pelo professor, enviando outra pergunta ou fazendo um comentário. “É uma espécie de sala de aula onde atuo como mediador. Na plataforma há a chance de esclarecer temas que muitas vezes as pessoas não têm a quem perguntar diretamente”, diz o pesquisador. Caso a questão seja de cunho particular, ela é respondida individualmente.

Leia também: Na biblioteca de Darwin

Segundo Volpato, a iniciativa surgiu para dar subsídios ao cenário científico brasileiro, estimulando a construção e a divulgação de conhecimento no País. “Tenho a clara percepção de que a produção de redações científicas no Brasil está enferma, anda muito mal. Faltam professores com o preparo necessário para ensinar. Muitos têm a boa vontade, mas nem todos têm a vivência na área. O portal surge para dar esse apoio, suprir essa carência existente na área”, explica.

Para participar do clube, basta fazer um cadastro no site, informando nome, área de atuação, estágio de desenvolvimento na atividade científica (iniciação científica, mestrado, doutorado ou pós-doutorado), tipo de instituição (pública ou privada), cidade e estado. Atualmente, todas as palestras exibidas no site são ministradas pelo pesquisador, mas a previsão é de que, a partir dos próximos meses, haja também conteúdos apresentados por convidados. “O objetivo é exibir palestras de acordo com as necessidades e sugestões dos usuários. Eles poderão pedir palestras que já foram passadas ou sugerir outras inéditas sobre temas que ainda não foram abordados.”

Além dos vídeos, os usuários têm acesso aos slides das apresentações veiculadas no site em formato PDF e materiais considerados interessantes para o aprofundamento do tema. “Esse material pode ser repassado à vontade. O importante é aprender e compartilhar o conhecimento”, frisa Volpato, que mantém um site pessoal dedicado ao assunto, além do Clube SOS Ciência.