COMPARTILHE
Sala de Aula
O documento recebeu mais de 12 milhões de contribuições

Na terça-feira 3, a segunda versão da Base Nacional Comum Curricular foi entregue ao Conselho Nacional de Educação (CNE) após período que o documento ficou aberto para consulta pública.


No total, foram mais de 12 milhões de contribuições enviadas por meio do portal. O novo texto também é fruto de mais de 700 reuniões de discussão que envolveram a participação de 200 mil professores e 45 mil escolas.

Entre as alterações mais relevantes, destacam-se as feitas nas etapas da Educação Infantil e Ensino Médio e nas disciplinas de Língua Portuguesa e História.

Na Educação Infantil, as faixas etárias e os objetivos de alfabetização ficaram mais bem explicitados, enquanto que no Ensino Médio a construção dos currículos ganhou maior flexibilidade e foi feita maior articulação com o ensino técnico-profissionalizante.

Em Língua Portuguesa, os clássicos da Literatura Portuguesa têm maior relevância, mas mantém-se o destaque para os autores brasileiros. Em História, além das culturas africana e indígena, foi dada maior ênfase para a história da Europa.

A Base agora será conduzida pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e pela União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime), que promoverão seminários nas 27 unidades federativas até junho dando continuidade à discussão do documento.