COMPARTILHE

De maneira geral, o Brasil vêm registrando progressos em relação à primeira infância, sobretudo a partir do entendimento de que é necessário um olhar específico para as demandas das crianças. No entanto, ainda persistem desafios para que as políticas públicas para esta etapa da vida sejam efetivas e dialoguem com os direitos inerentes à infância.


Uma das pautas, nesse sentido, está nos setores que atuam no planejamento urbano, como explica a coordenadora da secretaria executiva da Rede Nacional Primeira Infância (RNPI), Maria Mostafa.

“Verificamos que as cidades tomam como parâmetro de suas estruturas e organização o “cidadão médio”, que corresponde à imagem ideal do homem adulto trabalhador. Isso faz com que outros perfis, como mulheres, deficientes físicos, idosos e crianças não tenham suas necessidades contempladas “, avalia a especialista.

Para Maria, essa concepção explica o fato de crianças verem frequentemente negligenciados seus direitos de ocupar, circular, estudar e brincar de forma segura e prazerosa pelos centros urbanos.

Por uma vivência social

A especialista entende ser fundamental ampliar o convívio das crianças para além dos ambientes mais controlados, como a casa e a escola, parques, praças e brinquedotecas. “Os espaços públicos comportam a organização física, política e cultural da sociedade, e são a base para a experiência da cidadania”, avalia.

Em sua análise, promover a vivência social da primeira infância nas cidades implica em reconhecer as crianças como sujeitos plenos de direitos e também possibilitar aos espaços a chance de serem mais saudáveis e justos já nos dias atuais.

Na visão da assessora pedagógica de Educação e Cultura da Infância do Instituto Alana, Raquel Franzim, esse movimento também é necessário para que a educação das crianças se efetive de maneira coletiva. “Porque, afinal, ela é uma responsabilidade da família, do Estado e da sociedade civil organizada. Então, é tarefa de todos nós questionarmos para quem se projetam as cidades?”, avalia.

A Criança e o Espaço

Com o objetivo de apoiar as prefeituras a construírem políticas públicas sob a perspectiva da primeira infância, será lançada nesta terça (16) a plataforma “A Criança e o Espaço”, iniciativa da Rede Nacional Primeira Infância (RNPI) e do Centro de Criação de Imagem Popular (CECIP).


O projeto, que também tem apoio do Instituto Alana, Bernard van Leer Foundation e Instituto C&A, pretende reunir sistematicamente experiências e dicas para gestores públicos utilizarem na elaboração de políticas para a primeira infância.

Para marcar o lançamento, os especialistas farão um hangout no Youtube, na terça-feira 16, das 19h às 19h30 com o tema “A Criança e o Espaço: a cidade e o meio ambiente”. A ideia é promover reflexões sobre a importância de viabilizar o acesso das crianças a espaços e serviços de qualidade em suas cidades. Os interessados podem participar ativamente enviando perguntas.