COMPARTILHE

Era tarde da noite quando a administradora Cinthia Gaban, que estudava para obter uma certificação, deparou-se com uma dúvida. Diante do horário, ligar para colegas não era uma opção, e além disso, a questão era complexa. E se houvesse, naquele momento, um professor online disponível para explicar a questão? Afinal, quantas pessoas, assim como ela, não ficavam com dúvidas justamente às vésperas dos exames?


A ideia levaria Cinthia e a engenheira Érica Hoeveler a fundar o Professores de Plantão, site que faz a intermediação entre alunos que desejam tirar dúvidas e/ou aprofundar-se em determinada disciplina e professores universitários. “Imagina uma aula particular trazida para o ambiente online. O aluno seleciona o assunto de seu interesse, por exemplo Geometria, e o site busca em sua base um professor da área disponível para começar uma aula em até dois minutos via plataforma, que inclui recursos como vídeo, chat, quadro branco e áudio”, explica Érica.

Para isso, é preciso fazer um cadastro no site e adquirir um dos pacotes de minutos/aula pré-pagos, que variam entre 30, 60 e 115 minutos. “O aluno não precisa utilizar todo o tempo adquirido em uma mesma aula. Pode, por exemplo, fazer meia hora de Redação e usar o tempo restante em outra disciplina.

Todos os educadores do Professores de Plantão estão vinculados a universidades brasileiras consideradas de alto padrão, tais como Unicamp, USP e ITA, e, ao fim de cada aula, o aluno avalia o que foi dado.

Outro site que aposta na praticidade do ambiente virtual para tirar dúvidas de seus usuários – no caso, em Língua Portuguesa e Literatura – é o Ciberdúvidas da Língua Portuguesa, também disponível em aplicativo para smartphones. Apesar de português, o site contempla todas as demais variedades da língua de Camões e recebe por mês cerca de 900 perguntas de diferentes partes do mundo. “A maioria dos nossos consulentes é constituída de portugueses e brasileiros. Recentemente, cresceu a procura por parte de Angola e Moçambique. Em suma, são enviadas dúvidas de todo o mundo, inclusive de países que não têm o português como língua materna”, conta Carlos Rocha, coordenador-executivo do site.

O serviço é gratuito e conta com o apoio do Ministério da Educação português, entre outras instituições. O procedimento é simples: em primeiro lugar, deve-se verificar se a dúvida já não se encontra esclarecida (o acervo do Ciberdúvidas da Língua Portuguesa comporta cerca de 40 mil textos). Em caso negativo, basta encaminhar a questão em um formulário disponível no site. “Procuramos responder cada dúvida em um prazo de até 48 horas, mas muitas vezes a complexidade da questão pode exigir mais tempo para pesquisa. Em caso de demora, procuramos informar os consulentes do andamento da elaboração da resposta”, explica Rocha.

Entre as dúvidas mais frequentes, Rocha aponta as referentes à dicionarização e formação de palavras, do tipo “esta palavra existe?” Também chegam muitas questões sobre ortografia, sintaxe e, desde a adoção oficial, sobre o novo Acordo Ortográfico. O site ainda reúne um amplo conteúdo de informação, debate e reflexão sobre a língua portuguesa e tem a ele associados outros dois endereços virtuais, o Cibercursos, que organiza cursos a distância para estudantes que não possuem o português como língua materna, e o Ciberescola, que traz exercícios e outros recursos de apoio ao ensino e aprendizagem do idioma.

Aulas para ver e rever
Perto de atingir os 70 mil cadastrados, o site Biologia Total reúne videoaulas, simulados, áudios e materiais didáticos da disciplina. Paulo Jubilut atuava há mais de dez anos como professor de Biologia em colégios e cursinhos do Paraná e Santa Catarina quando resolveu disponibilizar suas aulas no YouTube. O número de acessos foi tão alto que o professor decidiu criar o site, no ar desde janeiro deste ano. Além de vídeos sobre Citologia, Genética e Ecologia, o Biologia Total tenta explicar também temas ligados a Atualidades como o funcionamento de uma bomba de gás lacrimogêneo, entre outros.

“Nada substitui uma boa aula presencial. O problema é que, por mais espetacular que o professor e sua aula sejam, cada aluno tem seu tempo de aprendizagem e aí entra a importância das video-aulas. Com elas, o estudante pode assistir e pausar a aula quantas vezes quiser, no horário que estiver mais disposto e de qualquer lugar”, explica Jubilut. “Outra vantagem é que as video-aulas nunca desaparecem”, acrescenta.

Se mesmo após assistir o vídeo o aluno permanecer com dúvidas, um grupo de monitores online de segunda a sexta fica à disposição para esclarecê-las via chat. Para Jubilut, muitos alunos se sentem intimidados em admitir que não entenderam algo em público ou falar com o professor em sala de aula. Atualmente, a plataforma oferece 90 aulas gratuitas e planos mensais de 9,99 reais para os que desejam virar assinantes e ter acesso a todos os materiais e aulas do site. Os assinantes também recebem semanalmente um programa de estudo a ser seguido.

“Com uma quantidade de assuntos cada vez maior a ser trabalhada no Ensino Médio, é difícil para o professor, no tempo destinado à aula, passar com calma um determinado tema. Os vídeos dão um suporte extra para a aprendizagem do aluno, permitindo que o tempo na sala de aula seja mais bem aproveitado, com discussões e atividades práticas”, acredita Jubilut.

*Publicado originalmente em Carta na Escola