COMPARTILHE
O escritor Michael Bond e o urso Paddington
Michael Bond e sua criatura, o ursinho Paddington: mais de 50 anos de boas histórias

Uma estátua de bronze chama a atenção de quem passa pela estação ferroviária de Paddington, em Londres, Inglaterra. O “imortalizado” usa um chapéu de abas largas caídas sobre o rosto e está sentado sobre uma mala. Não se trata de um homem, mas de um ursinho. Paddington é tão famoso e querido no Reino Unido que, por um momento, pode-se pensar que foi o personagem que deu nome à estação e não o contrário.


Leia também: Sherlock Holmes, o primeiro detetive

Tudo começou com um urso de pelúcia sentado na lareira do apartamento do inglês Michael Bond. “Eu o tinha comprado numa situação de desespero, no Natal anterior, para pôr na meia de presentes da minha esposa; nós o chamamos Paddington porque sempre gostei do som da palavra, e nomes são importantes, especialmente quando se trata de um urso que não tem muita coisa mais na vida”, conta o escritor. Pouco tempo depois, o brinquedo protagonizava histórias e mais histórias.

Na primeira delas, Paddington deixa sua casa no Peru em busca de uma vida melhor na capital inglesa. É assim que o Senhor e a Senhora Brown o avistam pela primeira vez em uma plataforma de trem. Comovidos com a situação do forasteiro, decidem adotá-lo – a primeira de muitas aventuras.

Criado em 1958, o ursinho sobreviveu não somente à caótica Londres, mas também à passagem do tempo. Prova disso é sua estreia nos cinemas com a animação As Aventuras de Paddington, do mesmo produtor de Harry Potter, e a publicação neste ano do livro Um Urso Chamado Paddington, o primeiro da série, pela WMF Martins Fontes, no Brasil. Em plena atividade aos 89 anos de idade, Bond falou a Carta Educação sobre sua adorável criatura, que lhe rendeu, em 1997, uma condecoração da Ordem do Império Britânico por causa dos serviços prestados à literatura infantil.

Carta Educação: Faz mais de 50 anos, desde a primeira edição do livro Um Urso Chamado Paddington e as aventuras do personagem continuam a encantar crianças e adultos. A que o senhor atribui esse sucesso?
Michael Bond: Existem várias maneiras de emigrar para um país estranho em busca de uma nova vida e quando a tia de Paddington, Lucy, enviou-o para a Inglaterra em busca de uma nova vida, ela jogou um trunfo. Ela amarrou um cartão em volta do pescoço dele dizendo muito simplesmente: “Por favor, cuide deste urso. Obrigado”. Não só a família Brown achou difícil resistir ao apelo, mas os leitores do livro também sucumbiram.

CE: O senhor comentou uma vez que, no início, não sabia que estava escrevendo um livro infantil. Em que momento percebeu que a história de Paddington renderia um bom livro?
MB: Eu não tinha a menor intenção de escrever um livro. Tinha uma folha de papel em branco na minha máquina de escrever e as primeiras palavras de Um Urso Chamado Paddington foram simplesmente um rabisco. Tivemos um pequeno urso de brinquedo que eu tinha chamado por esse nome depois de um terminal ferroviário nas proximidades e, a fim de colocar a minha mente para trabalhar, eu me encontrei perguntando o que aconteceria se um urso de verdade tivesse acabado por lá. As palavras chamaram à fantasia e eu comecei a acrescentar a elas. Em nenhum momento – dez dias, na verdade – percebi que tinha um livro em minhas mãos. Tinha escrito para agradar a mim mesmo, sem nenhuma faixa etária em particular em mente. O que acabou por ser uma grande vantagem, pois ampliou o número de leitores consideravelmente. E há algo no livro para todos, embora por causa de o “herói” ser um urso ele seja catalogado, principalmente, para crianças.

CE: Familiares, amigos e outras pessoas que passaram pela sua vida inspiraram muitos de seus personagens. Como Paddington está relacionado à sua vida pessoal?
MB: Acho que a maioria dos escritores precisam de um modelo para seus personagens. Embora, no momento em que aparecem no impresso ou na tela, raramente eles se reconheçam. Meu adorável agente na ocasião do primeiro livro, muitas vezes, apontou isso para mim e ele certamente nunca reconheceu a si mesmo como o Senhor Gruber. Mas eu não tinha um modelo para Paddington. Talvez seja por isso que ele é tão único.

CE: As pessoas, geralmente, acham que escrever comédia ou livros infantis é mais fácil do que escrever outros tipos de livros. Como o senhor vê isso?
MB: Quem disse que a escrita é 1% inspiração e 99% transpiração estava batendo um prego na cabeça. Todos os ramos da escrita têm os seus problemas. Quanto ao senso de humor, ou você tem ou você não tem.

CE: Quais são as lições que as crianças podem aprender com o personagem?
MB: Durante minha vida, vi uma deterioração notável das boas maneiras. Se as crianças tomarem nota de como Paddington usa palavras como “por favor” e “obrigado” e respeitarem os mais velhos já será uma conquista valorosa.

CE: Há projetos para o pequeno urso no futuro?
MB: Como Paddington disse uma vez: “As coisas estão sempre acontecendo comigo. Eu sou esse tipo de um urso”. O trabalho já começou em outro livro. Portanto, é um caso de “espere para ver”.