COMPARTILHE
Pega Aula

Compromissos externos, licenças, problemas de saúde e tantos outros contratempos podem levar um professor a se ausentar da sala de aula. Para evitar que as faltas prejudiquem os alunos, as escolas recorrem à convocação de substitutos ou à contratação de temporários, mas localizá-los não é uma tarefa fácil. Depender de indicações, murais e classificados pode tornar o processo demorado e seus resultados, limitados.


“Quando precisava me ausentar de uma aula, tinha de checar no mural da escola se havia ali o contato de algum profissional para fazer a substituição. Geralmente, tinha nomes de professores de Português e Matemática, porém, da minha disciplina era difícil”, conta Rodolfo Pedroso Rodrigues, professor de Biologia na Escola Estadual Maestro Heitor Villa Lobos, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.

Conversando com colegas, Adalberto Santos, professor da rede estadual e municipal, percebeu que a dificuldade se estendia aos demais professores, independentemente da disciplina. “Encontrar um profissional substituto com as competências necessárias e a tempo de assumir a aula era muito difícil. Até localizá-lo, a aula já havia sido perdida”, relata.

O quadro levou Santos a criar o Pega Aula, portal que reúne em seu banco de dados diversos perfis de profissionais da Educação e auxilia a divulgação de vagas e o contato entre os usuários. No ar há cerca de três meses, o site já conta com mais de 6 mil cadastrados e tem funcionado como um espaço de encontro e um importante canal de comunicação entre professores, escolas e universidades.

“Começamos apenas com as vagas temporárias, mas as escolas nos procuravam pedindo para divulgar vagas efetivas. Por conta da demanda, o projeto foi passando por ampliações e hoje funciona como um grande banco para procurar e anunciar vagas de emprego relacionadas à área de Educação”, conta Santos. Ao se cadastrar, é possível criar um perfil como anunciante ou como candidato às vagas, além de se identificar como professor, diretor ou escola.

César Melo, professor de Educação Física na Escola Adventista de Ensino Fundamental Rui Barbosa e de Inglês na Escola Estadual Emília Viega da Rocha, em Gravataí, no Rio Grande do Sul, ficou sabendo do Pega Aula por meio da página do portal no Facebook. Para ele, o grande benefício da plataforma é seu caráter de mão dupla: “Ao mesmo tempo que o profissional pode localizar outros professores e escolas, ele também pode ser localizado”.

Pega Aula

Apesar de a postagem de novas vagas ser mais recorrente por parte de escolas, universidades e outras instituições educacionais, todos os usuários podem anunciar oportunidades de trabalho, tornando-se responsáveis pelas informações prestadas. “Uma escola de São Paulo que está à procura de um professor de Educação Física, por exemplo, entra no portal e cadastra a vaga. Essa oportunidade automaticamente aparecerá para todos os professores da disciplina moradores da região e cadastrados no site”, explica Santos.

Independentemente desse recurso, os usuários ainda podem utilizar o sistema de busca do site para encontrar professores específicos de determinadas áreas, filtrando a procura por cidades, estados e disciplinas. Quando o sistema identifica um professor com o perfil solicitado, o internauta entra em contato com o profissional por meio do próprio site, deixando uma mensagem. “Se eu preciso de um substituto para amanhã, localizo pelo sistema os professores disponíveis e mando mensagem para quantos desejar. Fecho o acordo com aquele que retornar mais depressa. O processo todo é bastante rápido”, diz Santos.

Rodrigues já experimentou as funcionalidades da plataforma. “Neste ano, por conta de uns exames médicos, precisei me ausentar de uma aula. Então, naveguei pelo portal em busca de um substituto. O sistema encontrou uma professora e me colocou em contato com ela. Chegamos a marcar um encontro para confirmarmos os detalhes, porém, houve a paralisação da rede e não foi preciso. Mas já sei que, em uma futura eventualidade, o site pode me ajudar.” A partir do ano que vem, o professor tem planos de se cadastrar como candidato para vagas de professor substituto e, assim, aumentar sua renda.

Até o momento, o Pega Aula funciona de forma gratuita, mas é possível que, futuramente, o serviço passe a ser cobrado. Caso isso aconteça, o usuário será avisado com antecedência e poderá optar por aderir ao serviço pago (passando a ser caracterizado como assinante) ou permanecer com o gratuito (como não assinante). Nesse caso, os usuários que não pagarem poderão realizar buscas de profissionais e enviar avisos, mas só poderão ler as mensagens recebidas se forem assinantes.

Para Francisco Lillo, professor de Espanhol no Colégio Decisão, em Goiânia, a plataforma vai além da questão de procurar emprego. “É uma boa ferramenta para ter referências da área de Educação, para se posicionar no mercado e ver o que ele está demandando. Pelo Pega Aula, vejo de que tipo de profissionais as escolas estão precisando e quais são as necessidades de cada região”, diz.

*Publicado originalmente em Carta Fundamental