COMPARTILHE

É na primeira infância, fase que vai dos zero aos seis anos de idade, que as crianças desenvolvem suas estruturas e circuitos cerebrais e adquirem capacidades que as permitem avançar com habilidades futuras.


Segundo a publicação “O Impacto do Desenvolvimento na Primeira Infância sobre a Aprendizagem“, do Núcleo Ciência pela Infância, as crianças com desenvolvimento integral saudável durante os primeiros anos de vida têm maior facilidade de se adaptarem a diferentes ambientes e de adquirirem novos conhecimentos, contribuindo para que posteriormente obtenham um bom desempenho escolar, alcancem realização pessoal, vocacional e econômica e se tornem cidadãos responsáveis.

Leia mais:
Ao brincarem, as crianças entram em contato consigo e com o mundo

De acordo com o texto, esse processo de desenvolvimento é influenciado pelo meio onde a criança vive e interage e também pelos relacionamentos afetivos estabelecidos.

Para comemorar o Dia das Crianças, o Carta Educação selecionou quatro documentários disponíveis na Netflix que pautam a infância, seu desenvolvimento e os direitos inerentes à esta etapa da vida. Confira!

1. O Começo da Vida (2016)

A partir de relatos familiares e de especialistas, o filme faz uma análise sobre os primeiros mil dias de um recém-nascido e ressalta a importância das crianças terem garantidos seu lugar de fala e de escuta, prevendo o seu desenvolvimento integral.

2. Secret Life of Babies

O documentário aborda as motivações dos bebês nos primeiros dois anos de vida. Embora seja a fase em que aprendem a falar e a andar, as crianças já apresentam naturalmente muitos mecanismos de defesa. (trailer em inglês)

Secret Life of Babies – pretitle from Barny Revill on Vimeo.

3. Crescendo como Coy

O documentário narra a batalha pública travada por uma família do Colorado (EUA), para que a filha transgênero, Coy, tenha seus direitos assegurados e possa viver a infância plenamente. (trailer em inglês)

4. The Mask you Live In

“Homem não chora!” “Isso é coisa de menina!” “Vira homem!”. Essas expressões, ainda bastante comuns na sociedade, dizem respeito a uma ideia do macho dominante que ainda se cultua. O documentário parte do tema para mostrar como ele pode ser maléfico ao desenvolvimento dos meninos e, por outro lado, como eles podem ter acesso a uma infância mais livre de rótulos e, portanto, prazerosa. (trailer em inglês)