COMPARTILHE

Existem dois projetos em disputa para o Ensino Médio no Brasil. Um deles pretende oferecer uma educação mais humana, capaz de dar ao aluno subsídios para refletir sobre a sua ação e sobre a sociedade. O outro, oriundo dos setores empresariais, ganhou força na última década com a defesa da formação para o mercado de trabalho.


Leia também: “Precisamos ajudar os professores a mudar de papel”

Nesse contexto, a Economia se fortalece como forma de explicar e resolver os problemas da Educação. Argentina radicada há 30 anos no Brasil, Nora Krawczyk, 55 anos, questiona a competência dada à Economia como ciência capaz de dar contribuições para a educação.

No recente livro publicado pela Editora Cortez, Sociologia do Ensino Médio: Crítica ao Economicismo na Política Educacional, a professora da Faculdade de Educação da Unicamp defende uma volta das Ciências Sociais, em especial a Sociologia, como forma de analisar e contribuir com os desafios educacionais. Ela recebeu Carta Educação em sua casa, em São Paulo, para uma conversa sobre economicismo e a influência do setor privado na Educação no Brasil.

Carta Educação: Como as práticas e concepções originárias do mundo corporativo chegaram às escolas?
Nora Krawczyk: Hoje no Brasil há claramente dois projetos em disputa para formação de jovens. Estamos falando prioritariamente de escola, mas não somente dela. Um dos projetos pensa a formação dos jovens de uma perspectiva integral, no sentido de uma formação humana, capaz de permitir ao jovem integrar os conhecimentos científicos, culturais e a compreensão do trabalho, e de formar um jovem que possa refletir sobre sua própria ação e a dos outros. O outro, que tem se tornado cada vez mais forte nos últimos dez anos, é defendido pelo empresariado. O Brasil tem um setor empresarial muito bem organizado, talvez um dos mais organizados da América Latina. Parte dele, não todos, quer tornar o Brasil competitivo internacionalmente. Mas é um projeto de formação do jovem diretamente vinculado a um mercado de trabalho cada vez mais estreito para o jovem. Há uma associação direta entre mercado de trabalho e educação e, portanto, uma visão estreita do que é capaz de fazer a escola na formação do jovem.

CE: Muitas escolas, em especial na rede privada, estão dando ênfase a questões como o empreendedorismo. Como a senhora vê esse tipo de atuação?
NK: Essa ideia do empreendedorismo está muito forte não só no Brasil e não só na escola privada. É a chave do projeto empresarial, que é formar o jovem com uma ideia de que ele pode construir seu próprio futuro. É uma ideia do jovem empresário de si próprio. Qual é o modelo de homem empresário? A ideia de que se chegou lá pelo próprio esforço, pela perseverança, pelo estudo. Essa é a chave da formação hoje neste projeto que está acontecendo em muitas escolas brasileiras. Eles chamam de “construindo seu próprio futuro”. Enquanto um jovem está aprendendo a construir seu próprio futuro, pode diminuir a situação de incerteza. Mas ela não é subjetiva, ela é real. E assim acaba se criando uma situação falsa.

CE: Há outros exemplos dessa influência do economicismo na educação? 
NK: O economicismo tem uma influência muito forte na escola tanto através de projetos empresariais quanto nas diretrizes que a própria polîtica educacional vai tomando. Três termos definem o economicismo na política educacional: pensá-la por meio das evidências, do pragmatismo e da rentabilidade. Por exemplo, utilizar experiências de outros contextos e, sem avaliação e/ou sem divulgar as avaliações, transpô-las mecanicamente como as grandes ideias para o Brasil. Uma boa forma de ilustrar isso é a escola de tempo integral. Não existe pesquisa que demonstre que mais tempo na escola produza necessariamente melhor aprendizado. Agora, porém, tempo integral virou a grande solução para os problemas no Ensino Médio. Outro exemplo: já está demonstrado que nos países em que se utilizou um incentivo ao resultado para os professores não houve, necessariamente, melhora na aprendizagem dos alunos. Mas se diz que sim. É uma ideia de evidência muito maniqueísta, em que se mostra só o que se quer. O modelo que está muito na moda e sendo bastante divulgado pelas fundações empresariais é a reforma educacional de Nova York. O problema é que ela não mostrou resultados positivos na aprendizagem!

CE: Uma das maiores defensoras dessa política, a norte-americana Diane Ravitch, posteriormente contestou os resultados. 
NK: Sim, mas se continua divulgando isso. É uma ideia de evidências perversa. A outra ideia é o pragmatismo, a busca de soluções imediatas. São soluções pragmáticas, “eficientes”, de baixo custo – porque a eficiência sempre aparece atrelada ao baixo custo – e de resultado rápido. Uma política que não tem resultados rápidos não é eficiente. E em educação não existem resultados rápidos, lamentavelmente. Então, esse pragmatismo acaba levando a constantes mudanças nas ações. Por exemplo, a multiplicação de avaliações e como se isso permitiria controlar a prática escolar e obter melhores resultados. O que acontece de fato é que os professores param de ensinar e ficam a serviço das avaliações.

CE: Como essas experiências chegam até o Brasil? 
NK: Essas experiências chegam de diferentes maneiras, por meio de registros que as próprias fundações empresariais financiam. Eles também chamam “especialistas”, consultores, para vir e dar palestras. A comunicabilidade desse grupo empresarial é muito boa, por vários motivos. Primeiro, porque eles têm muita facilidade com os meios de comunicação. Depois, como as elaborações deles são muito simples, são facilmente divulgadas e, terceiro, porque hoje cada vez mais os projetos empresariais estão dentro dos estados e do governo federal também.

CE: Existe então uma presença real dentro do Estado. 
NK: Nós chamamos isso de uma aliança entre os grupos empresariais e o poder público para pensar a política educacional no País. Isso não quer dizer que todo o Ministério da Educação seja exatamente igual e pensem todos da mesma maneira. Isso não é verdade. Porque existem projetos diferentes e eles estão presentes também no interior do MEC e de alguns estados. Mas qual é o projeto que tem mais força? Qual é o projeto hegemônico? O projeto empresarial.

CE: Como a senhora analisa a atuação de institutos ligados à iniciativa privada?
NK: A escola virou, nos últimos 20 anos, um novo nicho de mercado. Com o desenvolvimento do capitalismo foram se esgotando determinados espaços de lucratividade e é uma dinâmica própria dele gerar novos espaços de produção de lucro. Um dos espaços é o mercado educacional. A educação passou a ser um bom negócio porque é algo que todo mundo deseja. Eu não estou negando a importância da educação como um direito de toda a sociedade, mas diante do sistema educacional que é antidemocrático, que não acolhe o conjunto das demandas implícitas e explicitas dos jovens, vão se criando outros mecanismos para responder a essas demandas. E isso vira um espaço muito interessante para gerar lucratividade. Ao mesmo tempo, essa exigência de respostas rápidas cria uma pressão junto ao poder público muito grande. Um governo que não tem uma resposta rápida é um governo que vai fracassando. Essas consultorias, na lógica que estamos falando, levam respostas prontas. Diante de uma necessidade e um desespero, essa resposta pronta é comprada e, às vezes, a custos muito altos. Hoje, a escola pública é um mercado enorme para o setor privado, por meio de venda de apostilas, de formação de professores, cursos de gestão, materiais didáticos etc.

CE: É possível contextualizar essa discussão dentro da crise do Ensino Médio no Brasil?
NK: O Ensino Médio está em crise no mundo inteiro. Até os anos 90, apenas 16% dos jovens brasileiros estavam no Ensino Médio e não havia tanto ruído com relação a isso. Ele se torna socialmente um problema, isto é, diferentes setores começam a falar em crise, a partir dos anos 1990 e principalmente dos anos 2000. Esse discurso gera um espaço enorme para essas soluções práticas, rápidas, porque queremos resolver a crise já. E quem já tem uma proposta pronta? O empresariado. Porque eles pegam o projeto de gestão de uma empresa e transportam para a educação. Não porque tenham uma proposta pronta e elaborada para a educação. Não é isso. Há um pressuposto de que existe um acúmulo de conhecimento e experiência que pode ser transposto para outras instituições, neste caso, a escolar. Se deu certo numa empresa, por que não dará certo em uma escola?

CE: A senhora defende o papel das ciências sociais nas políticas educacionais. Por que ela seria mais adequada? 
NK: As ciências sociais trazem um conhecimento, por meio da pesquisa, sobre as dinâmicas sociais, institucionais que se produzem a partir de determinadas políticas. É um conhecimento fundamental para definir políticas. Por outro lado, outro conhecimento também necessário para entender as políticas educacionais é o comportamento das juventudes. Quais são as demandas, as expectativas? Não para dar uma resposta direta, mas para entender por que essa juventude não está reagindo como se pressupunha que ela reagiria. São conhecimentos que não estão sendo levados em conta na hora de definir as politicas educacionais. Por exemplo, a política que atrela recursos aos resultados das avaliações: a escola recebe mais recursos se tem uma nota melhor ou os professores recebem um bônus se logram melhor rendimento dos estudantes.  Está demonstrado que esse tipo de incentivo está produzindo um processo de seleção indireta do alunado nas escolas. Algumas escolas podem selecionar aqueles alunos que parecem que serão bons alunos, sem necessidade de criar grandes desafios nem problemas para a escola. Só que os alunos que não vão a essas escolas, as mais demandadas e com maior prestigio, vão para outra escola. Em cada território teremos escolas boas que selecionam sistematicamente seu alunado e escolas que se tornam recipiente dos alunos que não foram aceitos nas outras.

CE: A senhora vê uma possibilidade de as ciências sociais passarem a contribuir mais na política educacional?
NK: Isso está vinculado aos projetos sociais de educação e projetos de país. Voltamos ao início: existe uma disputa entre dois projetos. Na medida em que o projeto empresarial seja hegemônico no País e esteja sendo tão procurado, inclusive, pelo âmbito público, esse conhecimento (das ciências sociais) será desconsiderado e ocultado. Mas, na medida em que se levem em conta o aporte das ciências sociais, temos a chance de construir uma educação e uma sociedade mais democráticas, evidenciando o processo de discriminação e segregação que temos presente na sociedade brasileira, dentro e fora do processo educativo.

CE: O mundo corporativo é capaz de dar contribuições positivas para a educação?
NK: Em primeiro lugar, pagar os impostos para que o Estado possa cumprir com sua função de redistribuição dos bens sociais: moradia, saúde, educação. Também pode contribuir, e muito, não desvalorizando os diplomas no mercado de trabalho. Isto é, reconhecendo e valorizando o conhecimento necessário para cada profissão e não deixando de fora jovens simplesmente porque se tem mais oferta do que demanda. Diminuindo a importância das relações para conseguir trabalho, criando mecanismos mais transparentes de seleção. E valorizar os conhecimentos teóricos na hora de selecionar profissionais. O mundo corporativo tem, sim, muito que fazer: tornar mais democrático o mundo do trabalho. Este é o melhor aporte que ele poderia fazer para a educação.

*Publicado originalmente em Carta na Escola