COMPARTILHE
Ilustrações de Mikel Casal
Livro "A ditadura é assim" traz duas ilustrações de Emílio Médici e Ernesto Geisel, feitas especialmente para a edição brasileira pelo artista contemporâneo por Mikel Casal

Como falar de política para crianças? Como explicar quem foi Josef Stalin, Benito Mussolini, Adolf Hitler, Augusto Pinochet e Emílio Garrastazu Médici para uma criança? Como contar que todos esses governantes tiveram em comum a barbárie e governos responsáveis por censurar, ordenar milhares de prisões e ceifar centenas de vidas em nome de um projeto nem sempre popular?


Cientes da carência de materiais didáticos que introduzam as crianças no universo das ciências sociais, a Boitempo Editorial resgata dois livros infantis que tratam de política para lançar seu selo infantil – o Boitatá. A ditadura é assim e A democracia pode ser assim chegam às livrarias neste mês, em meio à efervescência política e social que vive o País.

Ilustração do livro A ditadura é assim
Ilustração de Mikel Casal para o livro “A ditadura é assim”, lançado este ano pelo selo infantil Boitatá

“Com toda essa agitação que vemos na mídia, na internet e nas ruas, é normal que as crianças tenham dúvidas e queiram entender os processos que estão por trás. E, infelizmente, o educador ainda tem pouco material de apoio disponível para trabalhar em sala de aula questões como impeachment, corrupção e voto”, afirma a editora do selo, Thaisa Burani. “Temos uma ebulição social desde junho de 2013. E as crianças não passam incólumes. Elas observam, têm dúvidas, querem participar”.

Os livrinhos foram lançados originalmente em 1977 pela extinta editora catalã La Gaya Ciencia, que logo após a queda do general Francisco Franco na Espanha contratou uma equipe de educadores para escrever um conjunto de quatro volumes.

Além dos dois livros que saem agora, estão previstos para serem lançados em março os O que são classes sociais? e As mulheres e os homens, que questiona padrões simples de gênero, como mulheres usando saia e homens, gravata.

Todos custam 39 reais cada e são indicados tanto para o chamado “leitor em processo” (LEP), que coincide com os 8 e 9 anos de idade, uma fase que requer o acompanhamento de um adulto para interpretação posterior à leitura, quanto para crianças de 10 anos, capazes de serem mais autônomas.

A ideia da editora, que está completando duas décadas, é ter o Boitatá como um selo infantil que não subestima a inteligência dos pequenos e os estimule a questionar.

A ditadura é assim explica que “todo mundo obedece ao ditador só porque tem medo dele” e conta às crianças que em “qualquer ditadura, é proibido pensar por conta própria” pois o ditador exige que as pessoas só pensem como ele.

Capa - Ditadura

O livro, composto por ilustrações do basco Mikel Casal como a de uma coletiva de imprensa “sem perguntas”, explica ainda que o “ditador tem muito orgulho do país DELE. Porque ele acha que o país é DELE”.

Já o A democracia pode ser assim mostra que a “democracia é como um recreio
em que todos podem brincar de tudo”, além de poderem pensar e dizer o que quiserem. O livro trabalha com conceitos amplos e foca bastante na dinâmica de eleições diretas, norteada pelo princípio do voto – retratado como indispensável ao funcionamento do sistema: “Todos têm de participar. Todos têm de votar. (…) Pois o voto é um direito, mas é também um dever”.

No livro sobre democracia, ilustrado com colagens da espanhola Marta Pina, há na introdução fotos de diversas crianças (sendo algumas de autores da Boitempo), o que dá a ideia de pluralidade de etnias e cores.

Capa - Democracia

Já o que trata da ditadura traz logo na primeira página caricaturas de ditadores tanto de direita (como o argentino Jorge Rafael Videla) quanto de esquerda (como Nicolae Ceaucescu), indicando a preocupação em não se inclinar a um lado específico.

Neste sentido, há um cuidado semelhante no livro sobre democracia ao explicar que há partidos que acham mais importante todos poderem estudar, ter hospitais e trabalho; outros que prezam por um país no qual a economia cresça mais depressa, as empresas prosperem, os bancos sejam mais poderosos; e outros ainda que lutam para a criação de áreas reservadas para a caça e a pesca, por exemplo.

“Em todos os países existem conservadores e progressistas”, lembra o texto na tentativa de sair do “fla-flu” esquerda-direita para tratar a democracia enquanto conceito.

Ao final, cada livro traz questões para serem debatidas tanto dentro de casa quanto em sala de aula, como: “Se você vivesse numa ditadura, o que acharia pior? A. O ditador poder decidir sobre tudo.
B. Não existirem partidos.
C. A opinião do povo não valer nada” e “Para a democracia existir, o que você acha mais importante? A. Haver liberdades. B. Ser possível votar.
C. Haver partidos políticos”.

ditadura1
Ilustração feita por Mikel Casal para o livro “A ditadura é assim”

Há ainda análises de especialistas a fim de contextualizar os livrinhos com o momento político atual, um outro diferencial em relação às edições originais.

O filósofo Leandro Konder, falecido há pouco mais de um ano, escreveu sobre dificuldades de existir uma democracia plena, enquanto o sociólogo Ruy Braga levanta a questão da “ditadura econômica” imposta pelo capitalismo e questiona recentes manifestações pedindo a volta do regime militar no Brasil.

Para alguns, no entanto, o livro pode escorregar quando aborda valores universais e elege a liberdade em detrimento de outros direitos, como a igualdade – “A democracia é como um jogo do qual todos participam. E todos jogam pela liberdade”.

A editora, no entanto, não enxerga nisso um problema. Para ela, a coleção tem como principal objetivo mostrar que não estamos livres de retrocessos e deve ser encarada como uma primeira abordagem à ciência política, que envolve questões complexas e sutis.

Mas política, então, é coisa de criança?

“Certamente é. As crianças estão o tempo todo fazendo política, questionando regras, negociando combinados. Não vejo infância e política como excludentes, pelo contrário”, observa Thaisa. “

Veja hoje, em São Paulo, essas crianças ocupando suas próprias escolas contra uma política autoritária por parte do Estado. Elas nos deram um baile, uma verdadeira aula de como se faz política”.