COMPARTILHE

Como seria o encontro entre um cavaleiro medieval da Grã-Bretanha e um cangaceiro do sertão nordestino brasileiro? E se esse cavaleiro fosse ninguém menos que Lancelote, figura lendária da Távola Redonda de Rei Arthur, e o cangaceiro, o temido Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião?


Em Lampião e Lancelote, o consagrado autor-ilustrador Fernando Vilela promove esse encontro no mínimo inusitado, sincretizando as novelas de cavalaria e elementos da literatura de cordel no imaginário do leitor.

Quando a bruxa Morgana, num acesso de fúria, lança um feitiço, Lancelote descobre-se num lugar nunca antes visto, tão quente quanto seco – está no território do cangaço. Ao avistar aquele homem de armadura prateada que mais parece um fantasma de metal, Lampião parte para o duelo.

O confronto que se trava a partir daí entre os dois personagens é também uma batalha entre culturas e tradições, uma discórdia que envolve rimas, danças e lutas e mais parece uma “geleia da magia europeia com a ginga brasileira”.

Predominantemente ilustrado nas cores preto, branco, prata e cobre, a obra também brinca visualmente com os contrastes desses dois universos. O quente do cobre evoca o cangaceiro enquanto a prata, a armadura do cavaleiro. Há também referências à xilogravura e pinturas renascentistas.

Publicado pela primeira vez em 2006, Lampião e Lancelote foi a estreia de Fernando Vilela como autor e é um dos livros mais premiados do Brasil. Nessa reedição, a mágica do encontro permanece.

lampiao-e-lanceloteLampião & Lancelote
Autor: Fernando Vilela
Ilustrador: Fernando Vilela
Pequena Zahar, 2016