COMPARTILHE
tapajós

Durante uma viagem para Alter do Chão, no Pará, o escritor e ilustrador Fernando Vilela deparou-se com uma vila ribeirinha fantasma às margens do Rio Tapajós. Igrejas e escolas estavam vazias e muitas casas estavam mergulhadas pela metade nas águas do rio. Tudo estava inundado, pois era época de cheia ou, como dizem os locais, era “inverno”, estação chuvosa que obriga muitos ribeirinhos a se deslocar para terras mais altas e secas. O cenário transbordante da viagem inspirou o livro Tapajós, lançado pela Editora Brinque-Book.


Com técnicas de xilogravura, desenho, colagem e recursos digitais, Vilela ilustra a história de Cauã, Inaê e Titi. Por conta do regime de chuvas amazônico, as crianças embarcam com toda a família para outra área de floresta, onde erguem uma nova casa. Tudo está bem, até Inaê perceber que o jabuti Titi ficou para trás, na vila inundada. Os dois decidem, então, empreender uma missão de resgate. As ilustrações (em especial a que mostra a chuva) revelam toda a grandiosidade e também a força implacável da natureza que rege a vida de homens, mulheres e crianças no norte do Brasil.

Tapajós, de Fernando Vilela. Brinque-Book, 2015.