COMPARTILHE
Cais José Estelita
Ocupado por ativistas, o José Estelita sofreu reintegração de posse

Alvo de disputas judiciais, a área abandonada conhecida como Cais José Estelita, no Recife, recentemente motivou um cabo de guerra entre ativistas, poder público e o mercado imobiliário em expansão.


Localizada no centro da capital pernambucana, a região foi palco, em junho, de ação policial para reintegração de posse, quando se encontrava ocupada há um mês por cerca de 60 ativistas. Ao menos três ficaram feridos na operação.

Leia proposta de produção textual para o Ensino Médio baseado neste texto

Competências: Confrontar opiniões e pontos de vista

Habilidades: Relacionar, em diferentes textos, opiniões, temas e recursos linguísticos. Reconhecer no texto estratégias argumentativas empregadas para o convencimento do público, tais como a intimidação, comoção, chantagem, entre outras

1) Quais são o valor e a função social de cada um dos espaços da cidade? A pergunta pode ser usada para que seu aluno seja provocado a perceber a importância da função, ocupação e preservação do espaço urbano, para produzir um artigo de opinião.

2) Proponha ao aluno que leia, individualmente, a reportagem a batalha do Cais Estelita, disponível no site de CartaCapital. Direcione-o às sugestões de vídeos e textos no espaço Saiba Mais, para ampliação de repertório e pesquisa, antes do início da discussão sobre o tema, que se estende por todo o Brasil, desde pequenas cidades até megalópoles, causando impactos sociais e ambientais, muitas vezes irreversíveis.

3) O estudante deve buscar o maior número possível de informações sobre os temas expansão imobiliária desenfreada, preservação de patrimônios históricos, desapropriação de espaços públicos, em textos críticos, notícias, vídeos etc.

4) O aluno deve apropriar-se do tema por meio de discussões, anotações de impressões pessoais e do grupo, formulação e reformulação de ideias a partir da experiência de pesquisa e das discussões em sala.

5) Definir a questão polêmica e fazer um projeto de texto calcado nas suas impressões sobre o tema, com aprofundamento teórico, assumindo argumentos que sustentem sua posição.

6) Após o término do texto, peça que o aluno releia e observe se ele se posiciona claramente sobre o tema, se a ideia está fundamentada em argumentos fortes e se estão bem desenvolvidos, se a linguagem está adequada ao gênero, se o texto apresenta título e se é convidativo e, por fim, observe se o texto como um todo é persuasivo.

O local tem uma área de aproximadamente 101,7 mil metros quadrados e está localizado em ponto estratégico da cidade, entre o privilegiado bairro de Boa Viagem e o Recife Antigo, o que chamou atenção de um grupo de construtoras.

A ideia do projeto Novo Recife é a construção de 12 torres, parte residencial e parte destinada a flats, hotel e comércio. A reação conhecida como Ocupe Estelita aconteceu porque ativistas e moradores da cidade sentiram-se agredidos no que diz respeito ao senso estético e à sustentabilidade.

Leia também | Caminhos alternativos 

Para a advogada do grupo Direitos Urbanos, Liana Cirne Lins, trata-se de um projeto “que destrói uma paisagem muito bonita, uma das mais bonitas de quem vem de Boa Viagem. Não queremos esse desenvolvimento porque isso não é desenvolvimento. Isso é retrocesso, é um modelo de urbanismo da década de 70, da década de 80, que está superado”.

Em meio ao embate, fica no ar a questão: a quem pertence a cidade? A pergunta nos remete ao entrave que já dura alguns anos na região central de São Paulo, a respeito de um terreno de cerca de 25 mil metros quadrados localizado na Rua Augusta.

A área tem vegetação de Mata Atlântica tombada pela prefeitura, e que, portanto, não pode ser removida. De um lado, os proprietários querem vender o terreno para incorporadoras, e de outro, moradores reivindicam sua transformação em parque público, sem torres.

Leia Mais | Sugestões de Temas de Aula para o Ensino Médio

Caso optasse pela desapropriação, a prefeitura teria de pagar 55 milhões de reais, valor avaliado do imóvel em 2009. Diante desses dados, questionam-se o desejo da população e a lógica do uso mais rentável do terreno, do ponto de vista econômico.

Enquanto é bastante discutível a construção de novas torres numa região com poucas áreas verdes, a prefeitura justifica que diante de outras prioridades não vê necessidade em pagar milhões ao proprietário para viabilizar o parque, colocando a conta no bolso da população. Certo ou não?

Vale saber que os imóveis, embora de propriedade privada, têm uma função social e que é preciso, urgentemente, definir esse papel.

Se o critério for apenas o uso mais rentável economicamente, nunca haverá parques, áreas culturais preservadas ou habitação social, por exemplo, em áreas consolidadas das cidades. Outros instrumentos urbanísticos podem e devem ser usados em casos como esse. O momento da discussão é agora!

* Marta Pinho é professora de Redação do Colégio São Luís
** Publicado originalmente em Carta na Escola