COMPARTILHE
Crianças atravessando a rua
Experiências do dia a dia permitem refletir sobre a cidadania no trânsito

É comum ouvir falar sobre trânsito nos noticiários do cotidiano, principalmente nos grandes centros urbanos em que os acidentes ocorrem periodicamente em razão de um fluxo intenso de deslocamentos e de ações imprudentes dos pedestres, motoristas ou passageiros. Será que todos os cidadãos têm clareza das atitudes e ações que contribuem para um trânsito mais tranquilo?


Falar sobre trânsito na atualidade é uma questão que não se esgota. Com o crescimento das cidades, a compra compulsiva de veículos e uma maior aglomeração de pessoas, torna-se necessário destacar o tema nas discussões políticas, sociais, econômicas e até educacionais, ponto essencial para a conscientização dos indivíduos sobre o bem-estar coletivo.

Assim, como desenvolver uma proposta pedagógica com os alunos a partir dessa perspectiva?

Atividade didática para a Educação Infantil

Expectativas de aprendizagem: Reconhecer situações de potencial perigo e tomar precauções para evitá-las; Assistir a filmes concentrando-se por períodos cada vez maiores; Participar de rodas de conversa contribuindo com a discussão do tema; Assumir papéis reproduzindo situações cotidianas

Cidadania em trânsito

Crie vivências lúdicas para refletir com os alunos sobre o comportamento nas ruas

1) Identificação de situações-problema
Saber quais os conhecimentos prévios dos alunos sobre o tema a ser trabalhado é de grande valia para o desenvolvimento de uma proposta que vise estimular a ampliação dos conhecimentos da turma. De acordo com o que cada criança vivencia ao seu redor, as hipóteses se diferenciam. Elas devem ser pontuadas e discutidas no decorrer da realização da sequência de atividades. Ainda, a cada atividade realizada, a realização da roda de conversa é importante para que a turma compartilhe os conhecimentos construídos.

2) Dramatização do perigo
Explorando os movimentos corporais e a criatividade das crianças, há como criar representações de situações de perigo no trânsito, com orientação e auxílio do professor. A partir dessas representações, é possível levantar quais seriam as atitudes e ações dos cidadãos, conscientes de sua colaboração para manter um trânsito tranquilo.

3) Reflexão a partir de filmes
Utilizando o filme O Galinho, proponha que os alunos reflitam sobre as seguintes questões: desembarque de passageiro; local de brincar; cores do semáforo; quando e onde atravessar; utilização do cinto de segurança; como proceder dentro de um meio de transporte; qual o local correto para as crianças sentarem; perigo ao jogar lixo pela janela. Diversos filmes infantis possuem cenas com referências ao trânsito e permitem a análise sobre as atitudes e ações dos personagens, cabendo ao professor selecionar o que é mais adequado para a sua turma.

4) Atividade lúdica
Com brinquedos (bonecos, carrinhos, caminhões…) e materiais confeccionados com sucatas, é de extrema riqueza a realização de atividade lúdica em que as crianças participam como pedestres e condutores, uma vez que, envolvida na brincadeira, a criança se realiza e concretiza suas ideias e imaginações, o que favorece uma rica oportunidade para a construção de conhecimentos.

5) Confecção de maquete
A partir dos conteúdos trabalhados, propor a confecção de maquetes (utilizando, inclusive, materiais recicláveis) como complemento à reflexão sobre um trânsito mais cidadão.

6) Dança das cadeiras
Utilizando as cores do semáforo, brincar de Dança das Cadeiras com as crianças é bem divertido. A relação entre as cores do semáforo poderá ser trabalhada: verde para andar – seguir, amarelo para ficar parado – atenção e vermelho para sentar – parar.

7) Registro das atividades
Considerando que as crianças estão no processo de construção da escrita, trabalhar com o texto coletivo e com a escrita espontânea é sempre significativo. Além disso, o registro por meio do desenho e da pintura é sempre muito expressivo, e uma das formas de representar a apropriação dos conhecimentos.

A criança está inserida na sociedade desde a mais tenra idade. Falar sobre trânsito faz parte de sua realidade. Logo, quanto mais o currículo estiver relacionado ao seu cotidiano, maior probabilidade haverá de construção e ampliação de conhecimentos. Para isso, é necessário que o professor reconheça o aluno como ser integral (em seus aspectos físicos, psicológicos e cognitivos), protagonista no processo de aprendizagem.

As situações vivenciadas no dia a dia, como a travessia e a movimentação de pedestres, o fluxo de veículos em vias públicas e o embarque e desembarque em meios de transporte, possibilitam a reflexão sobre as atitudes cidadãs, não meramente pela preocupação em cumprir regras, mas, sobretudo, pela conscientização do cuidado à vida, estimulando ações colaborativas.

A partir do desenvolvimento dessa temática, as diversas áreas do conhecimento (linguagem oral e escrita, movimento, natureza e sociedade, artes visuais…) são trabalhadas numa proposta interdisciplinar, envolvendo a realização de atividades corporais e musicais, lúdicas, jogos, representações gráficas (desenho ou escrita), entre outras. Ao trabalhar com estratégias diversificadas, o professor permite aos alunos o desenvolvimento das diversas habilidades e competências.

Indagações sobre o cotidiano permitirão ao educador focar sobre as reais necessidades de seus alunos. Algumas podem estar relacionadas ao próprio trajeto que as crianças realizam de casa para a escola. Por exemplo: como se locomovem para ir à escola?

Caminhando, com o uso de transporte particular, escolar ou público? Se vão caminhando, com quem vão? Olham para os dois lados antes de atravessar, utilizam a passarela, atravessam na faixa de pedestres, seguram nas mãos do adulto? A partir de questões simples como essas é possível extrair um vasto conteúdo.

Diante desse contexto, torna-se significativo falar sobre o uso do semáforo e o que suas cores representam: não simplesmente para a apresentação de mais uma regra ou objeto que está na cidade, mas para o conhecimento de sua necessidade para a locomoção segura dos cidadãos.

Todos esses conteúdos podem ser explorados nas brincadeiras simbólicas realizadas pelas crianças, seja livremente, seja com intervenção do educador, em que as resoluções de situações-problema são observadas, apresentadas à turma e discutidas, considerando o cumprimento de atitudes cidadãs. Nessa proposta, as crianças aprendem como agir sendo pedestres e passageiros e, ainda, alertam os pais e demais adultos sobre como agir no trânsito, “cobrando-lhes” atitudes seguras.

Assim, é possível envolver os pais e a comunidade, uma vez que, todos vivenciam situações no trânsito cotidianamente. E uma sugestão interessante para estimular o desenvolvimento da localização é propor não apenas um passeio com a turma pelo bairro, mas um curto percurso a ser realizado com os pais no fim de semana, tendo o desafio de registrá-lo para compartilhar as descobertas e experiências com os colegas.

*Rosa Lúcia da Silva Santana é professora de Educação Infantil e Fundamental da rede municipal de São Paulo, especialista em deficiência intelectual pela Unifesp e professora de Saai (Sala de Apoio e Acompanhamento à Inclusão) 

Saiba mais:

A CET oferece cursos de formação para professores do Ensino Fundamental I e II, da Educação Infantil e da EJA – escolas públicas e privadas.

Educação de Trânsito – Manual de Educação Infantil. Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) e Centro de Treinamento e Educação de Trânsito (Cetet).

Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

Tempos e espaços para a infância e suas linguagens nos CEIs, creches e Emeis da Cidade de São Paulo/Secretaria Municipal de Educação. São Paulo: SME/DOT, 2006.